Dependência Química

O Que é Abstinência Alcoólica?

Sem comentários

Muitos não entendem muito bem o que é abstinência alcoólica, mas basicamente é quando há a suspensão do consumo de álcool, sendo acompanhada por uma série de sintomas.

Em pacientes em tratamento para dependência do alcoolismo, esses sinais são muito evidentes e precisam ser acompanhados de perto.

É essencial estar bem atento quando um dependente fica sem consumir álcool, e tentar ao máximo reduzir os sintomas.

Por isso, vamos mostrar aqui o que é abstinência de bebidas alcoólicas, quais os principais sintomas e formas de tratamento.

O que é abstinência alcoólica?

É muito comum ouvir o termo síndrome de abstinência alcoólica, que se refere a todos os sintomas que um dependente alcoólico apresenta quando para de ingerir álcool ou mesmo quando diminui a dosagem.

Por exemplo, em uma clínica de recuperação, todos os dependentes alcoólicos passam por uma crise de abstinência, sendo essencial que o processo ocorra da maneira mais eficaz possível.

Portanto, a abstinência alcoólica é caracterizada por um conjunto de sintomas que surgem em pessoas que interrompem o consumo de álcool após um histórico de dependência.

A abstinência ao álcool é um problema decorrente do alcoolismo, pois se trata de uma interrupção drástica da ingestão de álcool

Quais os sintomas de abstinência do álcool?

Quem está próximo, é essencial prestar bastante atenção aos sintomas de abstinência do álcool, e dependendo da intensidade, buscar ajuda o quanto antes.

Os principais sintomas são:

  • Ansiedade;
  • Nervosismo;
  • Batimentos cardíacos acelerados;
  • Insônia;
  • Tremores;
  • Suor excessivo;
  • Fadiga;
  • Náuseas e vômito;
  • Dor de cabeça;
  • Mau humor;
  • Ataques de pânico;
  • Pesadelos;
  • Falta de clareza de raciocínio.

Uma pergunta muito frequente é quando aparecem os primeiros sintomas que indicam uma abstinência alcoólica.

Na maioria das vezes, aparecem cerca de 8 horas depois de ingerir a última dose, mas que podem se intensificar no período de 24 a 72 horas. Entretanto, tudo vai depender do grau da dependência.

Lembrando que, em casos mais graves, a pessoa pode apresentar “delirium tremens”, que precisa de atendimento urgente, assim como convulsões e confusão mental.

Novamente, é necessário que o dependente seja avaliado por uma equipe de profissionais, para que o tratamento cubra tanto a sua saúde física quanto psíquica.

Conheça formas de tratamento para abstinência alcoólica

Em primeiro lugar, assim como no tratamento para dependência química, é crucial o suporte de uma equipe multidisciplinar para tratar a abstinência alcoólica.

Isso porque o organismo está se desintoxicando do álcool, e geralmente é o momento mais propício para uma recaída.

Daí a necessidade de contar com a ajuda de profissionais habilitados, tanto para cuidar das questões físicas como psicológicas.

Lembrando que para fazer o diagnóstico de abstinência, é necessário que a pessoa tenha diminuído pelo menos o consumo de álcool, uma vez que mesmo não cessando totalmente é possível surgir a crise de abstinência alcoólica.

Já em relação ao tratamento, o principal objetivo é reduzir os sintomas, e assim, problemas mais sérios.

Normalmente, há a prescrição de medicamentos para diminuir o desejo pela bebida, e em sete dias, a síndrome de abstinência alcóolica é superada.

Dependência Química

O Que é Etilismo?

Sem comentários

Se você não sabe o que é etilismo, é o mesmo que alcoolismo, que é quando o consumo de álcool é totalmente descontrolado, ou seja, ultrapassa um simples copo e de forma repetida.

O etilismo é muito perigoso para a saúde física e mental, e isso é muito evidente em pessoas que estão passando por um tratamento para dependência do alcoolismo.

Da mesma forma que uma dependência de drogas ou tabaco, é importante saber lidar com o problema o quanto antes.

Confira, a seguir, mais detalhes sobre a dependência alcóolica, as formas de etilismo e os efeitos a curto, médio e longo prazo.

O que é etilismo?

Quando se trata de buscar uma definição para o que é etilismo, é outra denominação para alcoolismo.

É a condição onde a pessoa bebe uma quantidade de bebidas alcóolicas superior ao que seu corpo pode ingerir sem causar danos.

Agora, quando se perde totalmente o controle, isso mostra que existe uma dependência ao álcool, sendo necessário intervir rapidamente.

Quais as formas de alcoolismo?

Em uma clínica de recuperação, por exemplo, o paciente pode chegar com duas formas de etilismo:

Crônico

Caracteriza-se pela dependência alcóolica, que é quando a pessoa não consegue passar um dia sem consumir álcool.

E, às vezes, o tratamento é muito difícil para o alcoolismo crônico, principalmente porque as pessoas têm uma tendência a perder a noção do que é importante, ou seja, para elas, o tratamento não é prioridade.

Agudo

Por outro lado, a forma aguda do etilismo significa um consumidor ocasional, mas que ingere altas doses, podendo inclusive levar ao coma.

Nesse caso, o tratamento é mais fácil e rápido.

Conheça os efeitos do etilismo a curto, médio e longo prazo

Agora que você já entendeu o que é etilismo, saiba que causa danos não apenas na saúde física, mas na saúde mental e afeta os relacionamentos sociais.

As consequências do alcoolismo na saúde física incluem:

  • Cirrose;
  • Vários tipos de câncer;
  • Doenças cardiovasculares, como infarto e AVC;
  • Envelhecimento precoce.

Já na saúde psíquica, a dependência alcoólica pode causar:

  • Depressão;
  • Problemas de sono;
  • Problemas de comportamento, além de redução dos reflexos;
  • Afeta a memória e concentração;
  • Agressividade.

Vale lembrar também que quem está passando por dependência etílica pode ter sua vida social afetada, como isolamento dos amigos e familiares, separação ou divórcio, perda de trabalho, etc.

Quais são os sintomas do etilismo

Como já foi dito sobre o que é etilismo, é importante que quem esteja por perto, fique atento a alguns sinais:

  • Tremores;
  • Suor excessivo;
  • Falta de concentração;
  • Estado depressivo;
  • Delírios;
  • Problemas de sono;
  • Bebe álcool todos os dias.

Esses são apenas alguns exemplos, e da mesma forma que você agiria quando algum amigo ou familiar precisa de um tratamento para dependência química, é importante oferecer ajuda.

Geralmente, quem tem dependência alcoólica, não admite que é um dependente, e por isso, pessoas próximas devem ajudar.

Seja conversando com a pessoa ou até buscando auxílio de um profissional que trate alcoolismo, e para que os danos não sejam ainda maiores, é necessário buscar ajuda o quanto antes.

Dependência Química

O Que o Cigarro Causa?

Sem comentários

Quando a pergunta é sobre o que o cigarro causa, infelizmente as notícias não são muito animadoras, uma vez que o uso do cigarro é extremamente prejudicial à saúde.

Infelizmente, da mesma forma que acontece com uma pessoa passando por um tratamento para alcoolismo, abandonar o tabagismo não é uma tarefa fácil.

Se você está se perguntando quais são os efeitos do cigarro, a lista é bem longa, e segundo o INCA, milhares de pessoas morrem todos os anos por conta do cigarro.

Vamos mostrar aqui as consequências nocivas do uso do cigarro, e por que é tão a importância de que essas informações cheguem a um maior número de pessoas.

O que o cigarro causa?

Muitas pessoas ainda não têm noção sobre o que o cigarro causa, e talvez por isso nem se esforçam para tentar parar.

Fazendo uma comparação com um paciente em tratamento para dependência química, muitas vezes eles não conseguem alcançar os malefícios da droga, e com os fumantes acontece a mesma coisa.

Separamos aqui os principais problemas decorrentes do uso do cigarro:

  • Doença pulmonar obstrutiva, como enfisema;
  • Diversos tipos de câncer: pulmão, boca, laringe, esôfago, etc.;
  • Doenças cardíacas;
  • AVC;
  • Tuberculose;
  • Infecções respiratórias.

Além desses problemas originados do uso do cigarro, podemos citar também catarata, infertilidade, impotência sexual, entre outros.

No entanto, a morte prematura é um dos maiores perigos que o cigarro causa.

O que leva uma pessoa a fumar?

Um estudo realizado pela Fiocruz mostrou que cerca de 33% dos fumantes brasileiros aumentaram o uso de cigarros durante a pandemia.

E qual é a explicação para isso?

Na verdade, é uma mistura de sentimentos que faz com que uma pessoa queira fumar: tristeza, isolamento, depressão, ansiedade, medo.

Embora as pessoas terem uma certa consciência do que o cigarro causa, a sensação de prazer e relaxamento que sentem as fazem esquecer de todos os malefícios causados pelo cigarro.

Quem é fumante, sente um alívio tremendo quando dá uma simples tragada, é como se todos os problemas fossem embora, ou pelo menos esquecidos por um tempo.

É possível parar de fumar?

Para quem quer abandonar de vez com o tabagismo, deve sempre buscar uma rede de suporte, pois sozinho é bem difícil.

Dependendo do grau da dependência e principalmente, se a saúde está muito comprometida pelo que o cigarro causa, é necessário um acompanhamento de um profissional de saúde.

Hoje em dia, existem várias abordagens para ajudar pessoas que querem largar o vício, inclusive com o uso de medicamentos.

Um dos principais objetivos do tratamento é não apenas dar o apoio à pessoa, mas reduzir o risco de uma recaída, que é muito normal.

No entanto, isso vai exigir muito esforço e persistência, e mesmo sabendo dos riscos causados pelo cigarro, é um trabalho a longo prazo.

Ao encontrar uma outra forma de prazer, como um substituto do bem-estar causado pelo cigarro, muitos fumantes têm conseguido abandonar o vício de uma forma mais tranquila e não traumática.

Dependência Química

O Que é Tabagismo?

Sem comentários

Se você está se perguntando o que é tabagismo, saiba que é uma toxicomania que resulta do vício a alguns produtos fabricados a partir das folhas do tabaco.

É normal pacientes que passam por tratamento de dependência química, serem também viciados em tabaco, além de outras drogas. 

Já está mais do que provado os efeitos nocivos de produtos derivados do tabaco, principalmente câncer.

Entenda, a seguir, mais sobre o que é tabagismo, como se desenvolve o vício e seus principais perigos.

O que é tabagismo?

Quando falamos em vício em tabaco, pode ser cigarro, cachimbo ou até pessoas que gostam de mascar a folha de tabaco.

A nicotina presente no tabaco é o principal causador desse vício, embora existam outras substâncias com menor importância.

Ela é quem cria uma dependência do tabaco, tão forte como a heroína, cocaína e álcool.

Assim, o fumante vai querer fumar sempre mais, para obter os mesmos efeitos agradáveis, e assim, a toxicomania se torna um problema crônico.

Como se desenvolve o vício do tabaco?

Algumas pessoas não sabem muito bem como funciona o tabagismo, ou seja, como se desenvolve a dependência.

Então, o vício à nicotina ocorre no cérebro. Assim que ela chega aí, ela estimula a liberação da dopamina, que é um mensageiro químico que está diretamente relacionado à sensação de prazer.

Os efeitos da dopamina atuam na redução da ansiedade, na melhora do humor e reduz o apetite.

É justamente por essa sensação que no momento de tratamento para alcoolismo, muitas vezes, o vício em tabaco ajuda para compensar a falta do álcool.

Uma pesquisa mostrou que se cada cigarro permite em torno de 10 tragadas, uma pessoa que fuma 30 cigarros por dia, envia diariamente 300 mensagens de dopamina ao cérebro.

Quais os perigos do tabagismo?

Os perigos do vício do tabaco estão ligados aos componentes que libera o tabaco no momento de sua combustão.

Os especialistas identificaram ais de 4000 substâncias químicas na fumaça do tabaco, incluindo o monóxido de carbono e o alcatrão.

Um dos maiores riscos à saúde do tabagismo é que cinquenta dessas substâncias são cancerígenas.

Vale lembrar que a dependência ao tabaco reduz a expectativa dos fumantes em 10 anos, comparando com os não fumantes.

Além disso, quando você sabe o que é tabagismo, com certeza, vai querer evitar ao máximo, especialmente pelas doenças que pode causar, como por exemplo:

  • Hipertensão;
  • Doenças cardiovasculares, AVC, arteriosclerose;
  • Bronquite crônica e enfisema;
  • Vários tipos de câncer: pulmão, boca, esôfago, etc.;
  • Disfunção erétil;
  • Úlcera;
  • Durante a gravidez, aumenta o risco de aborto, parto prematuro e síndrome de morte súbita do bebê.

Os benefícios de parar de fumar

Pouco tempo depois de parar de fumar, o risco das doenças diminui de forma considerável, como o infarto.

Um ano após ter largado o vício do tabaco, esse risco diminui pela metade, e após 5 anos de abstinência, o risco equivale àquele de uma pessoa que nunca fumou.

No entanto, os danos aos pulmões causados pelo tabagismo podem ser irreversíveis.

Apenas lembrando aqui que não só os fumantes são beneficiados ao largar o vício do cigarro, mas também os não fumantes, uma vez que existe o fumo passivo.

Dependência Química

Como posso ajudar alguém que luta contra o vício em drogas?

Sem comentários

Ajudar um amigo ou ente querido que luta contra dependência de drogas ou álcool é frequentemente uma jornada longa e dolorosa. Às vezes, pode ser tão opressor que ignorar a situação pode parecer uma solução mais fácil. 

No entanto, varrer o problema para debaixo do tapete pode ser prejudicial para você, sua família e a pessoa com quem você está preocupado. Por mais doloroso que seja, é importante que você reserve um tempo para incentivar seu ente querido a obter a ajuda de que precisa.

Dicas para ajudar alguém com dependência de drogas

Ajudar um ente querido que está lutando com o uso de substâncias não é fácil e não existe uma fórmula mágica que faça com que ele pare de usar. No entanto, aqui estão algumas sugestões sobre como ajudar um ente querido a obter tratamento para a dependência de drogas:

Eduque-se sobre o vício

Você vê o que sabe. Até que você tenha conhecimento sobre o vício e os sintomas do abuso de drogas, é fácil não perceber os sinais que estão bem na sua frente.

O vício é complexo e está tudo bem se você não souber tudo imediatamente. No entanto, dedicar um tempo para entender a doença do seu ente querido e como ela o afeta é incrivelmente benéfico para você e seu ente querido. Também ajuda você a estar mais ciente dos sinais de que seu ente querido precisa de ajuda.

Ofereça seu apoio

Pessoas com dependência nem sempre entendem o quanto sua família e amigos os amam. Converse com sua pessoa amada sobre suas preocupações e não espere que ela chegue ao fundo do poço para falar. Deixe-os saber que você vai apoiá-los em sua jornada de recuperação.

Incentive-os a obter ajuda

Tal como acontece com outras doenças, quanto mais cedo for tratado o vício, melhor. No entanto, não se surpreenda se você se deparar com uma negação ou desculpas de por que eles não podem ou não querem buscar tratamento. 

Seja persistente sobre como é importante que eles entrem em tratamento para seu vício, mas evite que se sintam culpados ou envergonhados no processo.

Outra opção é realizar uma intervenção para seu ente querido. 

Embora isso geralmente seja difícil de fazer, uma intervenção pode ser exatamente o que seu ente querido precisa se estiver profundamente envolvido com o vício. 

Considere trazer um especialista em intervenção para ajudá-lo a navegar neste processo.

Apoio à recuperação como um processo contínuo

Assim que o seu ente querido decidir entrar em tratamento, é essencial que continue envolvido. Continue apoiando sua participação em grupos de apoio de recuperação, reuniões e cuidados contínuos. 

Seja o sistema de suporte de que eles precisam e mostre que você estará lá em cada etapa do caminho.

Se cuida

Embora você possa ver isso como egoísmo, é extremamente importante que você seja capaz de ajudar os outros e tomar as melhores decisões possíveis. 

Certifique-se de que suas necessidades sejam satisfeitas dormindo o suficiente, fazendo exercícios e comendo bem. Não tenha medo de ir à terapia para obter ajuda se você estiver sofrendo devido ao vício das drogas de seu ente querido.

O que evitar ao falar com alguém que você ama sobre o vício

Ao conversar com um ente querido sobre como obter tratamento para seu vício, aqui estão algumas coisas a evitar:

  • Pregar, dar sermões, ameaçar ou moralizar seu ente querido
  • Apelos emocionais que podem aumentar os sentimentos de culpa e a compulsão de usar drogas
  • Mentir ou dar desculpas por seu comportamento
  • Assumir suas responsabilidades – fazer isso os protege das consequências de seu comportamento
  • Habilitando seu comportamento encobrindo o abuso ou dando-lhes dinheiro para comprar drogas
  • Discutir com seu ente querido quando estiver usando drogas – durante esse tempo, seu ente querido não será capaz de manter uma conversa racional e provavelmente não estará aberto para o que você tem a dizer
  • Sentir-se culpado ou responsável pelo comportamento deles – não é sua culpa

Se você acha que seu ente querido está usando drogas, a melhor coisa a fazer é incentivá-lo a procurar tratamento para o vício. Seja amoroso e dê apoio, mas também saiba que eles provavelmente vão dar desculpas por seu comportamento. Seja firme no que deseja e continue incentivando-os a buscar ajuda. 

Embora não seja fácil de fazer, é um primeiro passo fundamental para ajudá-los a alcançar uma vida saudável e feliz em recuperação.

Leia também: https://omelhortratamento.com.br/tratamentos/alcoolismo/

Compreendendo o vício em drogas

As pessoas começam a usar drogas por muitas razões diferentes – curiosidade, para se divertir, porque os amigos estão fazendo isso, para melhorar o desempenho atlético, para entorpecer a dor emocional e muito mais. 

O uso de drogas não leva automaticamente ao abuso e muitas vezes é difícil apontar um único momento em que o uso de drogas passa de casual a problemático.

Normalmente, o abuso e a dependência de drogas têm menos a ver com a frequência com que uma pessoa usa substâncias. 

Em vez disso, é mais sobre as razões pelas quais as pessoas recorrem às drogas em primeiro lugar e as consequências de seu abuso. Por exemplo, se o uso de drogas está causando problemas em sua vida, como perder o emprego ou relacionamentos tensos, é provável que você tenha problemas com o uso de drogas.

Nem todo mundo que usa drogas fica viciado. A probabilidade de alguém se tornar viciado em drogas varia de pessoa para pessoa.

Os fatores de risco que aumentam a probabilidade de dependência incluem:

  • História familiar de vício
  • Abuso, negligência ou outras experiências traumáticas
  • Distúrbios de saúde mental , como ansiedade e depressão
  • Método de administração (injetar ou fumar uma droga pode aumentar a probabilidade de dependência)
  • Uso precoce de drogas

Saiba mais sobre nossa clínica de recuperação: https://omelhortratamento.com.br/

Dependência Química

Quanto tempo a nicotina permanece no corpo?

Sem comentários

Sempre que você fuma ou masca tabaco, ou inala a fumaça do cigarro, a nicotina é absorvida pela corrente sanguínea.

A partir daí, as enzimas do fígado quebram a maior parte da nicotina para se tornar cotinina. A quantidade de cotinina será proporcional à quantidade de nicotina ingerida. Essas substâncias são eventualmente eliminadas pelos rins na forma de urina.

A cotinina, o principal produto de decomposição da nicotina, geralmente pode ser detectada em seu corpo por até três meses após a ingestão. Quanto tempo ela permanece em seu sistema dependerá de como você ingeriu a nicotina e com que frequência.

Continue lendo para saber por quanto tempo a nicotina pode ser detectada na urina, sangue, saliva e cabelo.

Separe um tempo para conhecer mais sobre nossa clínica de recuperação e sobre nossos tratamentos para dependência química e tratamento para alcoolismo.

Por quanto tempo os vestígios de nicotina estarão presentes na sua urina?

Se você fuma com pouca frequência, a cotinina geralmente, a nicotina estará presente na urina por cerca de quatro dias. Com a exposição regular à nicotina, a cotinina pode ser detectada por até três semanas após sua última exposição.

Um teste de urina positivo depende de quando você fornece uma amostra de urina em relação à última vez que você ingeriu nicotina. Se você é fumante, o teste pode ser positivo em 1.000 nanogramas por mililitro (ng / mL).

Se você não fuma há mais de duas semanas, um teste positivo pode ser superior a 30 ng / mL. Cada laboratório pode ter diferentes intervalos de referência para positividade, por isso é importante discutir os resultados com seu médico.

Por quanto tempo os vestígios de nicotina estarão presentes no seu sangue?

A nicotina permanece em sua corrente sanguínea de um a três dias, e a cotinina pode ser detectada em seu sangue por até 10 dias.

A nicotina no sangue pode ser detectada por meio de testes qualitativos (se a nicotina está presente) e quantitativos (a quantidade de nicotina presente). Esses testes podem detectar nicotina, cotinina e outro produto de degradação chamado anabasina.

Falsos positivos para a nicotina são comuns em exames de sangue. Isso geralmente ocorre devido à presença de um composto chamado tiocianato. É encontrado em alimentos como brócolis e repolho e em certos medicamentos.

Por quanto tempo os vestígios de nicotina estarão presentes na saliva e nos folículos capilares?

A nicotina e a cotinina podem levar até quatro dias para serem totalmente eliminadas da saliva.

Traços de nicotina geralmente podem ser encontrados nos folículos capilares por até três meses após a última exposição. Dependendo do teste de cabelo usado, a nicotina pode ser detectada por até um ano após sua última exposição.

Embora o teste do cabelo seja possível, ele não é usado com tanta frequência quanto o teste de urina, saliva ou sangue. Isso ocorre porque o teste do cabelo geralmente custa mais.

Que fatores influenciam quanto tempo a nicotina permanece em seu sistema?

Pessoas que fumam geralmente são divididas em três categorias diferentes:

  1. Usuários leves ou pessoas que fumam apenas uma vez por semana
  2. Usuários moderados ou pessoas que fumam até três vezes por semana
  3. Usuários intensos ou pessoas que fumam de forma consistente diariamente ou semanalmente

Se você é um usuário leve, vestígios de nicotina são normalmente eliminados de seu sistema dentro de dois a três dias após fumar.

Se você é um usuário pesado, traços de nicotina podem ser detectados por até um ano após sua última exposição.

Seu estilo de vida e composição genética

Certos fatores podem influenciar quanto tempo leva para seu corpo metabolizar a nicotina e eliminá-la.

Esses incluem:

  • Idade: quanto mais velho você for, mais tempo seu corpo pode levar para remover essa toxina.
  • Genes: Pesquisas sugerem que os caucasianos e hispânicos podem metabolizar a nicotina mais rápido do que os ásio-americanos e afro-americanos.
  • Hormônios: também se pensa que os hormônios sexuais desempenham um papel. As mulheres, especialmente aquelas que estão grávidas ou tomando estrogênio, podem metabolizar a nicotina mais rapidamente do que os homens.
  • Função hepática: diferentes pessoas podem metabolizar a nicotina em taxas diferentes, dependendo de suas enzimas hepáticas.
Clínica de recuperação

Efeitos Imediatos do Consumo de Álcool

Sem comentários

O álcool ingerido em uma bebida é absorvido pelo sistema digestivo de onde passa para a corrente sanguínea, onde pode permanecer por até 18 horas. Finalmente, é eliminado pelo fígado.

A presença contínua de álcool no corpo e seu consumo repetido são responsáveis ​​pela maioria das lesões que essa substância produz em nosso corpo, como cirrose hepática ou encefalopatias em que o funcionamento do fígado e do cérebro está seriamente alterado.

Poucos minutos depois de beber pode surgir uma série de efeitos cuja manifestação você veria dependendo da quantidade ingerida e das características de cada pessoa.

Nossa clínica de recuperação para dependentes químicos e alcoólicos, Clínica O Melhor Tratamento traz uma matéria sobre o assunto da dependência alcoólica.

Efeitos e sintomas da dependência alcoólica

Em ordem de aparecimento ao longo do tempo e em relação à concentração de álcool no corpo, esses efeitos seriam os seguintes:

  • Desinibição
  • Euforia
  • Relaxamento
  • Maior sociabilidade
  • Dificuldade em falar
  • Dificuldade em associar ideias
  • Falta de coordenação motora
  • Intoxicação aguda

Nos casos em que a concentração de álcool no sangue atinge ou ultrapassa 3 gramas de álcool por litro de sangue, podem surgir apatia e sonolência, além de morte por paralisia dos centros respiratório e vasomotor.

Os efeitos do álcool dependem da quantidade consumida, mas existem outras circunstâncias que podem acelerá-los ou agravá-los:

Idade: Os jovens são os mais sensíveis aos efeitos do álcool nas atividades de planejamento, memória e aprendizagem, e são mais “resistentes” do que os adultos aos efeitos sedativos e à  falta de coordenação motora.
Peso e sexo: o álcool afeta mais seriamente as pessoas com massa corporal inferior.

Em geral, as mulheres pesam menos e o tamanho de seus órgãos internos é proporcionalmente menor, de modo que quantidades menores de álcool podem gerar danos psico-orgânicos mais rapidamente e desenvolver problemas com álcool mais facilmente nas mulheres do que nos homens.

A quantidade e velocidade de ingestão: Dependendo da quantidade de álcool consumido, pode ser considerada como de baixo risco, alto risco ou perigoso.

Quanto maior a ingestão de álcool em menos tempo, maior a possibilidade de intoxicação.

Combinação com refrigerantes: A combinação do álcool com este tipo de bebida (Refrigerantes, Tônicos, etc.) acelera a intoxicação.

Ingestão simultânea de alimentos: especialmente alimentos gordurosos. Ele retarda a intoxicação, mas não previne ou reduz os danos ao corpo.

Combinação com outras substâncias: A combinação com outras substâncias como tranquilizantes, relaxantes musculares e analgésicos potencializa os efeitos sedativos do álcool.

Quando combinado com a cannabis, os efeitos sedativos de ambas as substâncias são aumentados; no caso da cocaína, que é um estimulante, os efeitos são neutralizados, mas a toxicidade das duas substâncias misturadas é maior do que se fossem consumidas separadamente.

Saiba mais informações nosso serviço de tratamento para alcoolismo em nossa clínica de recuperação.

Clínica de recuperação

Conheça mais sobre as drogas e seus efeitos.

Sem comentários

A anfetamina é uma substância que proporciona uma falsa sensação de bem-estar e humor quando na verdade é viciante e tem vários efeitos colaterais negativos sobre o corpo e o cérebro.

Muitas substâncias causam mudanças no corpo, promovendo a atenção e a vigilância. Eles também fornecem a atmosfera e eliminam a fadiga. O problema é que eles também causam danos, como as anfetaminas.

O QUE É ANFETAMINA?

Há apenas um tipo de anfetamina. Na verdade, existem várias substâncias sintéticas que formam um grupo de drogas viciantes. Eles podem ter origem farmacológica, que está na composição de drogas emagrecedoras; também podem ser modificados, como o ecstasy.

Para uso controlado (uso farmacológico), a anfetamina não constitui um risco significativo. O problema está no uso excessivo desta substância, particularmente nas versões modificadas.

Neste caso, é classificado como uma droga ilícita que pode inicialmente melhorar as habilidades físicas e mentais, mas também pode causar sintomas negativos que prejudicam significativamente a saúde e o desempenho cognitivo.

COMO FUNCIONA NO CORPO?

A anfetamina atua no sistema nervoso central, deixando a pessoa acordada, e melhora o desempenho respiratório e muscular. Portanto, é amplamente utilizado em eventos e por aqueles que querem melhorar seu desempenho durante o treinamento ou o esporte.

As reações químicas que ela induz no cérebro influenciam os neurotransmissores que promovem o bem-estar. Com o tempo, uma pessoa se sente mais capaz e confiante, acreditando que pode fazer qualquer coisa.

O problema está nos outros estímulos que provoca, levando a desequilíbrios na mente e no corpo. Além disso, quando seu efeito desaparece, em cerca de 8-12 horas, surgem sentimentos de ansiedade e depressão, estimulando a necessidade de consumir mais.

QUE MAL FAZ A QUEM A USA?

Um dos danos causados pelas anfetaminas é um aumento excessivo da temperatura corporal. Pode atingir níveis tão altos que pode causar a morte devido a seus efeitos negativos sobre as proteínas.

É também uma séria ameaça à sua saúde e às suas faculdades mentais:

Insônia;
cansaço excessivo;
perda do apetite;
náusea;
lábios secos;
comichão;
dores de cabeça;
visão embaçada;
taquicardia;
dano cerebral;
Pupilas dilatadas;
Espasmos de mandíbula;
Espasmos musculares;
Depressão;
Perda de controle das extremidades;
Mudanças na pressão sanguínea;
Diarréia;
Inflamação do estômago;
Irritabilidade.

Em outras palavras, a anfetamina é inicialmente agradável, mas causa várias reações orgânicas e cerebrais. Embora funcione, causa sintomas diferentes, e quando seu efeito se desgasta, causa outros.