Internações

Internação Compulsória o que é?

Sem comentários

Muito se ouve falar sobre internação compulsória, e de uma forma muito simples, é uma internação contra a vontade da pessoa.

Embora não seja o ideal, em determinados casos é necessário, principalmente quando a vida da pessoa e dos que estão à sua volta está em risco.

É uma decisão muito difícil, e requer um pedido formal feito por um médico psiquiatra, o qual é enviado ao juiz.

Portanto, entenda mais o que é e como funciona uma internação involuntária.

Internação compulsória o que é?

A internação compulsória é uma prática de utilizar meios legais para solicitar a internação de uma pessoa, mesmo contra a sua vontade.

Muitas pessoas confundem internação involuntária com compulsória, mas são diferentes.

Na internação involuntária ocorre sem o consentimento do paciente e a pedido de terceiros, que normalmente são os familiares.

Porém, o pedido tem que ser escrito e aceito pelo médico psiquiatra.

Nesses casos, a Lei determina que os responsáveis pela clínica de recuperação têm o prazo de 72 horas para informar ao Ministério Público do estado sobre a internação e seus motivos.

Já na compulsória, não é necessária a autorização familiar. É determinada pelo juiz competente, após o pedido formal, feito por um médico habilitado, atestando que a pessoa não tem domínio sobre sua condição psicológica e física.

Como funciona a internação compulsória?

No Brasil, a Lei no. 13.840, de 5 de junho, prevê a internação compulsória de dependentes de drogas e álcool, sendo necessária uma formalização ou pedido por escrito por um médico responsável, mas sem a necessidade de autorização judicial.

No caso da falta de um familiar ou responsável legal, a lei garante que o pedido de internação pode ser feito através de um funcionário público da área de saúde, da assistência social ou órgãos públicos.

A lei ainda estabelece que o tratamento para dependência química seja feito em unidades de saúde, com aval médico e prazo máximo de 90 dias, tempo considerado necessário à desintoxicação.

Quando a internação compulsória é a melhor opção?

A internação compulsória é indicada em casos onde a pessoa coloca em risco sua própria vida ou de terceiros, seja em razão do uso de drogas ou outras substâncias, mas também por um surto.

Veja algumas situações em que se aplica esse tipo de internação:

  • Quando a pessoa comete crimes para sustentar seu vício, podendo chegar até o assassinato;
  • Tentativas de suicídio;
  • Comportamentos agressivos (em relação a sei mesmo ou violência direcionada a outras pessoas);
  • Total perda de controle.

Esses são apenas alguns exemplos, e vale lembrar também casos onde todo tipo de tratamento para alcoolismo foi feito e nada deu resultado, colocando a vida do dependente em perigo.

Como é feita a internação compulsória?

Em primeiro lugar, o paciente deve ser encaminhado até um médico habilitado, o qual vai avaliar suas condições físicas e psíquicas, assim como seu histórico.

A partir dessas informações, ele elabora um laudo, devendo atestar que a pessoa é uma ameaça a si própria e a terceiros.

Vale lembrar que, com a nova lei sancionada, é possível solicitar a internação compulsória sem a autorização de um juiz.

Nos outros casos, o médico envia a solicitação ao Ministério Público, que encaminhará a um juiz, que vai decidir sobre a necessidade de internação. 

Dependência Química

Como Tirar Vontade de Usar Droga?

Sem comentários

Uma pergunta comum entre dependentes é: como tirar vontade de usar droga? Será que é possível?

Embora algumas pessoas acharem que é fácil, não é, principalmente quando há uma dependência, porém, é possível.

Por isso, acabam buscando ajuda em uma clínica de recuperação, pois é a única solução para se livrarem da droga.

Por outro lado, existem algumas estratégias que ajudam a diminuir a vontade pela droga, e é exatamente isso que vamos mostrar aqui!

É fácil parar de usar drogas?

Antes de passar algumas dicas de como tirar vontade de usar droga, tenha em mente que o processo não é fácil, mas isso não significa que seja impossível!

Obviamente que tudo vai depender do nível da dependência e da força de vontade de cada indivíduo.

Existem casos que apenas um tratamento para dependência química é capaz de fazer a pessoa parar de usar drogas, em razão do tipo de droga, tempo de uso, da frequência e dos efeitos causados ao organismo.

Agora, se você conhece alguém que está tentando se livrar das drogas, separamos umas dicas que podem ajudar.

Como tirar vontade de usar droga?

Em primeiro lugar, saiba que uma pessoa que usa drogas até tem vontade de abandonar o vício, porém, é algo muito mais forte e ela não consegue.

Portanto, confira dicas de como tirar vontade de usar droga:

1.Iniciar uma conversa

É essencial, seja por parte da família ou amigos, manter um diálogo aberto, mas sem críticas ou julgamentos.

O objetivo aqui é criar um laço de confiança para que a pessoa se sinta segura para falar sobre seu problema.

Antes de começar essa conversa, o ideal é conversar com um profissional habilitado em tratamento para alcoolismo, para te orientar sobre a melhor maneira de agir e lidar com essa situação.

2.Praticar atividades físicas

Estudos mostram que praticar exercícios físicos regularmente faz bem tanto para a saúde física quanto psicológica.

E por que funciona para tirar a vontade de usar drogas? 

Porque durante os exercícios, há a liberação de endorfinas, que proporcionam bem-estar e prazer, que é uma sensação muito parecida com os efeitos da droga.

3.Se dedicar a um hobby

Em alguns casos, a droga é utilizada para aliviar algum sofrimento ou dor, e quando se mantém a mente ocupada, o foco é desviado da droga.

Dessa forma, ao se dedicar a um hobby, a pessoa se concentra naquela atividade, por consequência, diminui o desejo de usar a droga.

4.Fazer uma terapia

Em praticamente todos os tratamentos para dependência, faz parte fazer terapia e participar de grupos de apoio.

A terapia tem a finalidade de fazer com que a pessoa tenha uma maior clareza do que a levou a usar a droga, e entender a importância de mudar seu comportamento.

5.Praticar yoga

O yoga é uma prática milenar, que ajuda a tirar o foco da droga, promover o relaxamento e aliviar as tensões.

Praticar meditação também visa desviar a atenção sobre a droga, propiciando o equilíbrio entre corpo e mente.

Portanto, quando se trata de como tirar vontade de usar droga, essas dicas irão deixar esse processo muito mais fácil de lidar!

Tratamento alcoolico

Anoxeria Alcóolica o que é?

Sem comentários

Talvez seja a primeira vez que você esteja ouvindo falar em anoxeria alcóolica, também chamada de “drunkorexia”, que consiste basicamente em se privar da comida para poder beber mais álcool.

Como o álcool é ainda mais calórico que o açúcar, e as pessoas ficam apavoradas com a ideia de engordar, para compensar, elas reduzem o consumo de alimentos, e trocam a comida pelo álcool, buscando um efeito anestésico.

Esse fenômeno pode potencializar a intoxicação alcóolica, e embora não exista uma terapia específica, o tratamento para alcoolismo pode ajudar bastante.

Se tudo ainda está parecendo um pouco confuso, continue a leitura e entenda o que é essa combinação de anorexia e alcoolismo!

O que é anorexia alcóolica?

A anorexia alcóolica é uma combinação dos sintomas causados pelo alcoolismo e anorexia.

Ocorre geralmente em mulheres com menos de 30 anos, mas homens e mulheres mais velhas também podem ser afetados.

Quando o comportamento de parar de comer para consumir álcool se repete muitas vezes por semana durante mais de 30 dias, considera-se que a pessoa tem um problema de anorexia alcóolica.

Mais precisamente, dois principais comportamentos adotados regularmente podem levar à drunkorexia:

  • Consumir álcool de forma excessiva em um período muito curto;
  • Limitar a alimentação antes de beber. Isso pode ser vomitar, usar diuréticos, laxantes, etc.

Quais os sintomas de anorexia alcóolica?

Os sintomas desse transtorno ainda não são claramente definidos, já que é um transtorno alimentar identificado recentemente, mas se manifesta pelo fato de pular refeições para poder beber álcool e reduzir assim o número de calorias consumidas.

Mas não é apenas isso. As pessoas também poder comer em grande quantidade sob o efeito do álcool e em seguida vomitam.

O objetivo é o mesmo: eliminar o excesso de calorias.

Além disso, as pessoas que sofrem deste transtorno alimentar são adeptas de “binge-drinking”, que refere-se a beber muito e rápido, visando obter ainda mais rapidamente e intensamente os efeitos do álcool.

Um tal comportamento, associado ao fato de não comer, é ainda mais perigoso para a saúde. Lembrando que os efeitos do álcool em jejum são três vezes mais tóxicos.

Quais as consequências na saúde?

Drunkorexia é muito mais grave que o transtorno alimentar em si, porque ela priva o cérebro de nutrientes necessários, fornecendo a ele uma grande quantidade de álcool.

Essa combinação pode causar problemas cognitivos a curto e longo prazo, principalmente dificuldades de concentração, perda da capacidade de estudar e problemas de tomada de decisão.

Tudo isso pode levar a atitudes violentas e doenças crônicas, que podem prejudicar gravemente a saúde das pessoas afetadas.

Daí a importância de buscar um tratamento para dependência química, particularmente adolescentes, porque são muito mais vulneráveis.

 

Como tratar a anorexia alcóolica?

O tratamento em uma clínica de recuperação pode ser baseado tratando de uma parte, o consumo excessivo de álcool, e de outra parte, o transtorno alimentar. 

Para isso, é necessário um acompanhamento multidisciplinar, incluindo psiquiatras, psicólogos e nutricionistas.

Além disso, sessões de psicoterapia associadas a um tratamento farmacológico permitem diminuir as crises de ansiedade do paciente e acompanhá-lo ao longo da abstinência.

Enfim, a anorexia alcóolica é uma doença e, como tal, precisa de ajuda médica.

Dependência Química

Transtorno de Pânico e Dependência

Muitas pessoas não sabem, mas o transtorno de pânico pode se manifestar em pessoas dependentes de drogas ou álcool.

É o que chamamos de problemas concomitantes, que podem aparecer ao mesmo tempo ou em momentos diferentes, e seus sintomas podem variar em intensidade e em forma com o tempo.

Por isso, quando um paciente chega em uma clínica de recuperação, geralmente se pergunta: o que apareceu primeiro, o problema de saúde mental ou aquele de consumo de substâncias?

Como é difícil saber, é melhor considerar como problemas independentes que têm repercussões um sobre o outro.

Portanto, entenda quais os fatores de risco e como tratar!

O que é transtorno de pânico?

O transtorno de pânico se caracteriza por episódios intensos e recorrentes de ansiedade, chamados de “ataques de pânico”.

Esses ataques surgem de maneira imprevisível e se manifestam por sensações físicas desagradáveis, como palpitações cardíacas, agitação, sudorese interna e respiração curta, entre outros sintomas.

As pessoas que sofrem desse transtorno relatam que têm a impressão que estão loucas, além de perda de controle ou que vão morrer.

Pesquisas mostram que três em cada cem pessoas sofrerão de uma crise de pânico em algum momento de suas vidas.

No entanto, 36% das pessoas afetadas por ataques de pânico têm também problemas com o abuso de álcool e/ou outras drogas.

Transtorno de pânico e dependência quais os fatores de risco?

Problemas de saúde mental, como o transtorno de pânico, e os problemas de dependência podem interagir de diversas formas:

  • O consumo de substância pode piorar o problema de saúde mental;
  • O uso de drogas ou álcool pode minimizar ou mascarar os sintomas de um transtorno mental;
  • Algumas pessoas consomem o álcool ou a droga para aliviar os sintomas de um problema mental;
  • O álcool e a droga podem reduzir a eficácia dos medicamentos que as pessoas tomam para tratar um distúrbio mental;
  • Se um dos problemas reaparecer, pode fazer surgir de novo os sintomas do outro.

Portanto, as pessoas que têm os dois problemas apresentam um maior risco de ter problemas médicos, sociais e afetivos mais graves que se tivessem apenas um.

Nesse caso, o tratamento para dependência química será mais longo e mais difícil.

O que tratar primeiro: o transtorno de pânico ou a dependência?

Ainda existem muitas dúvidas sobre o que tratar primeiro, mas enquanto alguns especialistas aconselham primeiro o tratamento para alcoolismo, outros seguem a linha de tratar os dois em paralelo.

Dessa forma, cada avanço no tratamento da dependência diminuiria as causas do transtorno de pânico, e a longo prazo, esse círculo vicioso deixaria de existir.

Geralmente, o tratamento dura alguns meses, mas como as pessoas sofrem de mais de uma doença, o tratamento pode levar mais tempo e ser mais complexo.

Assim, o tratamento leva em conta todos os problemas correlacionados, frequentemente a depressão e/ou consumo de álcool ou drogas.

Algumas abordagens, além dos grupos de apoio, são utilizadas para ajudar uma pessoa a combater as crises de pânico, como a terapia cognitivo-comportamental e o uso de medicamentos.

O ideal é contar com o suporte de profissionais experientes nos dois problemas, o que permite otimizar o tratamento.

 

Dependência Química

O Que Falar Para um Dependente Químico?

Pode ser um pouco difícil saber o que falar para um dependente químico, principalmente se for a quem amamos, mas é importante fazê-lo.

Isso porque, o consumo de drogas pode ter efeitos nocivos na vida de uma pessoa, e você deve tentar fazer tudo o que for possível para ajudar.

Dependendo do caso, talvez seja necessário buscar uma clínica de recuperação, porém, o ideal que isso seja feito em comum acordo com o dependente.

E é aqui que entra o que você fala e como você fala, o que pode fazer toda a diferença nesse processo.

Então, se você tem um familiar ou amigo que faz uso de drogas, veja aqui como abordá-lo de maneira mais assertiva!

O que falar para um dependente químico por onde começar?

Pode ser difícil determinar se o consumo de drogas de uma pessoa é problemático, e alguns sintomas podem indicar que existe um problema.

Então, antes de te mostrar o que falar para um dependente químico, verifique se a pessoa:

  • Consome a droga desde que acorda;
  • Falta ao trabalho ou não cumpre seus compromissos;
  • Perdeu o interesse por coisas que gostava de fazer;
  • Está gastando muito dinheiro;
  • Consome cada vez mais para se sentir eufórica;
  • Experimenta outros tipos de droga;
  • Corre riscos para consumir a droga.

Você também pode prestar atenção aos seus comportamentos, como:

  • Se isolar da família e amigos;
  • Mudanças de humor;
  • Dificuldade para se lembrar das coisas;
  • Parecer triste, contrariado ou agitado quando não consome a droga;
  • Problemas de concentração e dificuldade para tomar decisões;
  • Procurar novos amigos em função do consumo de drogas.

Dependendo da intensidade desses fatores, talvez já seja o momento de ir pesquisando sobre tratamento para alcoolismo.

Como falar com alguém dependente de drogas ou álcool?

Às vezes, as pessoas não percebem que seu consumo de drogas ou álcool é grave, e reconhecer a existência de um problema é o primeiro passo para a solução.

Além disso, é muito mais simples o tratamento para dependência química quando se aborda desde o início.Quanto mais se espera, mais difícil fica.

E o que falar para um dependente químico?

Embora possa parecer difícil iniciar uma conversa, se prepare porque pode despertar fortes emoções e não desenrolar como previsto.

E antes de tudo, busque o máximo de informações sobre as drogas e seus efeitos.

Então, durante a conversa:

  • Diga à pessoa que você se preocupa com ela porque a ama e lhe quer bem;
  • Escute tudo o que ela falar, sem interrompê-la e questioná-la. Poderia ser útil dizer os tipos de tratamentos que existem;
  • Mantenha um diálogo aberto. Fale que você está ali para o que ela precisar, e que ela pode te procurar sempre que quiser;
  • Liste todas as coisas boas na sua vida, porque, às vezes, as pessoas perdem de vista o que são;
  • Não a estigmatize, e tome muito cuidado como você fala. A ideia aqui é fazer a pessoa se sentir compreendida e aceita;
  • Mostre que você reconhece suas forças e sua capacidade de superar o problema.

Além de manter essa conversa, estimule seu familiar ou amigo a procurar ajuda, já que a dependência química é uma doença que necessita da ajuda de profissionais de saúde.

Clínica de recuperação

Como Procurar Ajuda para Vencer o Vício?

Se você conhece um dependente, provavelmente já pesquisou como procurar ajuda para vencer o vício, certo?

Realmente, falar do problema de dependência com alguém próximo que é dependente não é algo fácil.

É normal não saber exatamente o que dizer nem o que esperar, no entanto, a dependência é uma doença crônica que deve ser tratada, assim como qualquer outro problema de saúde.

Felizmente, você pode ajudar um amigo ou familiar, seja propondo um tratamento para dependência química ou buscar ajuda com um profissional habilitado.

Vamos mostrar aqui algumas dicas do que fazer para ajudar uma pessoa próxima que sofre de um problema ligado ao consumo de drogas ou álcool.

Como procurar ajuda para vencer o vício?

Embora seja mais raro, um dependente pode tomar a decisão de como procurar ajuda para vencer o vício por conta própria, e essa seria a situação ideal.

Para isso, ele precisa se conscientizar que está doente e de todos os prejuízos que a droga ou o álcool está lhe causando.

Por exemplo, quando parte da própria pessoa buscar uma clínica de recuperação para se tratar, isso mostra que ela está disposta e torna o tratamento mais fácil.

Por outro lado, às vezes, é um familiar ou amigo que vai buscar essa ajuda, e como fazer para dar o suporte a alguém para abandonar o vício?

Dicas para ajudar uma pessoa a vencer o vício

Se você está buscando uma maneira para ajudar alguém próximo a vencer o vício, separamos umas dicas que podem servir de orientação:

  • Buscar apoio para você: você deve ser acompanhado de um profissional antes de falar com a pessoa. É uma conversa muito difícil e uma abordagem inadequada poderá ter efeito contrário;
  • Participar de grupos de apoio: são grupos que permitem falar com pessoas que vivem uma situação semelhante à sua, e ao compartilhar experiências, será mais fácil encontrar soluções e reconforto;
  • Informar-se de tudo sobre dependência: compreender que a dependência não é uma escolha e sim uma doença, e sem os cuidados adequados, a pessoa pode desenvolver sérios problemas de saúde.

Além disso, saber reconhecer os sinais do problema ligado ao uso de substâncias vai permitir identificar e intervir imediatamente.

Saiba que assim a pessa tem mais chance de se recuperar mais rápido se o problema for detectado e tratado em um estágio precoce.

Geralmente, uma pessoa que tem um vício em álcool, por exemplo, pode apresentar dificuldades no trabalho, ter mudanças de humor e não consegue controlar o consumo.

Nesse sentido, o quanto antes iniciar um tratamento para alcoolismo, além de reduzir riscos maiores, em menos tempo poderá voltar à sua vida “normal”.

Como convencer uma pessoa a se tratar?

Em primeiro lugar, seja um amigo ou familiar, saiba que você é a melhor pessoa para ajudá-lo, pois ele sabe que você só deseja seu bem-estar.

E provavelmente é em você que ele vai encontrar a maneira de como procurar ajuda para vencer o vício.

Para isso, você deve escolher o momento certo para falar e estar bem embasado em todas as suas colocações, pois isso passa credibilidade e confiança.

Também explique que você vai ajudá-lo a encontrar um tratamento adequado e acompanhá-lo ao longo de todo esse processo, e talvez esse seja o primeiro passo para ele vencer o vício!

Clínica de recuperação

Síndrome de Abstinência Alcóolica quais os sintomas?

Sem comentários

No momento de parar ou reduzir drasticamente o consumo excessivo e prolongado de álcool, sintomas de síndrome de abstinência alcóolica podem surgir.

Sua gravidade e duração podem variar bastante, desde a conhecida “ressaca” até um delirium tremens.

Se você conhece alguém que bebeu durante muito tempo e sinais de abstinência aparecerem após ter reduzido ou parado o consumo de álcool, recomenda-se procurar ajuda profissional em uma clínica de recuperação.

Isso porque é impossível prever como o quadro vai evoluir e um médico pode prescrever um tratamento para aliviar os sintomas.

Para você entender melhor como identificar os sinais de uma crise de abstinência alcóolica, vamos explicar tudo aqui!

O que é síndrome de abstinência alcóolica?

A síndrome de abstinência alcóolica (SAA) é o conjunto de sintomas que as pessoas podem ter quando elas param de consumir o álcool.

Ela ocorre frequentemente em pessoas que tiveram um problema de abuso de álcool durante semanas, meses ou anos.

Os sintomas surgem em torno de 24 horas depois e atingem um pico entre 24 e 48 horas. Ao final de três dias, considera-se que o pior já passou, e entre cinco a sete dias, os sintomas reduzem.

No entanto, em alguns casos, complicações podem ocorrer, que começam após 48 à 72 horas e persistem por vários dias: fortes tremores em todo o corpo, palpitações, pesadelos, etc.

Daí a necessidade de iniciar o mais rápido possível um tratamento para alcoolismo, particularmente para evitar maiores prejuízos à saúde.

Quais os sintomas de crise de abstinência do álcool?

Os sintomas de abstinência alcóolica são simples de reconhecer, onde os sinais clínicos se instalam algumas horas após a diminuição ou interrupção do consumo do álcool.

Assim, os primeiros sinais começam a aparecer, tais como:

  • Tremores;
  • Suores;
  • Dor de cabeça;
  • Insônia;
  • Náuseas e/ou vômitos;
  • Taquicardia;
  • Ansiedade;
  • Irritabilidade;
  • Depressão;
  • Pesadelos;
  • Perda de apetite;
  • Batimentos cardíacos muito rápidos ou muito lentos.

Na síndrome de abstinência alcóolica, os sintomas mais graves podem incluir febre, convulsões e um delirium tremens (delírio alcóolico).

Quem tem delirium tremens pode apresentar confusão, pânico e até alucinações (ver, ouvir e sentir coisas que não existem na realidade).

Da mesma forma que dependentes de drogas necessitam de tratamento para dependência química, o delirium tremens pode ser grave se não for tratado.

Como é o tratamento de abstinência alcóolica?

Em primeiro lugar, vale lembrar que o alcoolismo é uma doença e necessita de tratamento, e apesar da melhor decisão ser parar de beber, isso pode gerar sintomas desagradáveis.

Quando se trata de síndrome de abstinência alcóolica, que como você viu acima, são todos os sintomas decorrentes da suspensão abrupta do consumo de álcool, é necessário tratar com especialistas, geralmente psicólogos ou psiquiatras.

Embora alguns sintomas o paciente consiga controlar mais facilmente, outros precisam de medicamentos e de um acompanhamento mais de perto.

Outro ponto chave é o apoio da família e amigos ao longo de todo esse processo, até para evitar uma recaída, que não é raro de acontecer.

Dependência Química

O Que é Abstinência Alcoólica?

Sem comentários

Muitos não entendem muito bem o que é abstinência alcoólica, mas basicamente é quando há a suspensão do consumo de álcool, sendo acompanhada por uma série de sintomas.

Em pacientes em tratamento para dependência do alcoolismo, esses sinais são muito evidentes e precisam ser acompanhados de perto.

É essencial estar bem atento quando um dependente fica sem consumir álcool, e tentar ao máximo reduzir os sintomas.

Por isso, vamos mostrar aqui o que é abstinência de bebidas alcoólicas, quais os principais sintomas e formas de tratamento.

O que é abstinência alcoólica?

É muito comum ouvir o termo síndrome de abstinência alcoólica, que se refere a todos os sintomas que um dependente alcoólico apresenta quando para de ingerir álcool ou mesmo quando diminui a dosagem.

Por exemplo, em uma clínica de recuperação, todos os dependentes alcoólicos passam por uma crise de abstinência, sendo essencial que o processo ocorra da maneira mais eficaz possível.

Portanto, a abstinência alcoólica é caracterizada por um conjunto de sintomas que surgem em pessoas que interrompem o consumo de álcool após um histórico de dependência.

A abstinência ao álcool é um problema decorrente do alcoolismo, pois se trata de uma interrupção drástica da ingestão de álcool

Quais os sintomas de abstinência do álcool?

Quem está próximo, é essencial prestar bastante atenção aos sintomas de abstinência do álcool, e dependendo da intensidade, buscar ajuda o quanto antes.

Os principais sintomas são:

  • Ansiedade;
  • Nervosismo;
  • Batimentos cardíacos acelerados;
  • Insônia;
  • Tremores;
  • Suor excessivo;
  • Fadiga;
  • Náuseas e vômito;
  • Dor de cabeça;
  • Mau humor;
  • Ataques de pânico;
  • Pesadelos;
  • Falta de clareza de raciocínio.

Uma pergunta muito frequente é quando aparecem os primeiros sintomas que indicam uma abstinência alcoólica.

Na maioria das vezes, aparecem cerca de 8 horas depois de ingerir a última dose, mas que podem se intensificar no período de 24 a 72 horas. Entretanto, tudo vai depender do grau da dependência.

Lembrando que, em casos mais graves, a pessoa pode apresentar “delirium tremens”, que precisa de atendimento urgente, assim como convulsões e confusão mental.

Novamente, é necessário que o dependente seja avaliado por uma equipe de profissionais, para que o tratamento cubra tanto a sua saúde física quanto psíquica.

Conheça formas de tratamento para abstinência alcoólica

Em primeiro lugar, assim como no tratamento para dependência química, é crucial o suporte de uma equipe multidisciplinar para tratar a abstinência alcoólica.

Isso porque o organismo está se desintoxicando do álcool, e geralmente é o momento mais propício para uma recaída.

Daí a necessidade de contar com a ajuda de profissionais habilitados, tanto para cuidar das questões físicas como psicológicas.

Lembrando que para fazer o diagnóstico de abstinência, é necessário que a pessoa tenha diminuído pelo menos o consumo de álcool, uma vez que mesmo não cessando totalmente é possível surgir a crise de abstinência alcoólica.

Já em relação ao tratamento, o principal objetivo é reduzir os sintomas, e assim, problemas mais sérios.

Normalmente, há a prescrição de medicamentos para diminuir o desejo pela bebida, e em sete dias, a síndrome de abstinência alcóolica é superada.

Dependência Química

O Que é Etilismo?

Sem comentários

Se você não sabe o que é etilismo, é o mesmo que alcoolismo, que é quando o consumo de álcool é totalmente descontrolado, ou seja, ultrapassa um simples copo e de forma repetida.

O etilismo é muito perigoso para a saúde física e mental, e isso é muito evidente em pessoas que estão passando por um tratamento para dependência do alcoolismo.

Da mesma forma que uma dependência de drogas ou tabaco, é importante saber lidar com o problema o quanto antes.

Confira, a seguir, mais detalhes sobre a dependência alcóolica, as formas de etilismo e os efeitos a curto, médio e longo prazo.

O que é etilismo?

Quando se trata de buscar uma definição para o que é etilismo, é outra denominação para alcoolismo.

É a condição onde a pessoa bebe uma quantidade de bebidas alcóolicas superior ao que seu corpo pode ingerir sem causar danos.

Agora, quando se perde totalmente o controle, isso mostra que existe uma dependência ao álcool, sendo necessário intervir rapidamente.

Quais as formas de alcoolismo?

Em uma clínica de recuperação, por exemplo, o paciente pode chegar com duas formas de etilismo:

Crônico

Caracteriza-se pela dependência alcóolica, que é quando a pessoa não consegue passar um dia sem consumir álcool.

E, às vezes, o tratamento é muito difícil para o alcoolismo crônico, principalmente porque as pessoas têm uma tendência a perder a noção do que é importante, ou seja, para elas, o tratamento não é prioridade.

Agudo

Por outro lado, a forma aguda do etilismo significa um consumidor ocasional, mas que ingere altas doses, podendo inclusive levar ao coma.

Nesse caso, o tratamento é mais fácil e rápido.

Conheça os efeitos do etilismo a curto, médio e longo prazo

Agora que você já entendeu o que é etilismo, saiba que causa danos não apenas na saúde física, mas na saúde mental e afeta os relacionamentos sociais.

As consequências do alcoolismo na saúde física incluem:

  • Cirrose;
  • Vários tipos de câncer;
  • Doenças cardiovasculares, como infarto e AVC;
  • Envelhecimento precoce.

Já na saúde psíquica, a dependência alcoólica pode causar:

  • Depressão;
  • Problemas de sono;
  • Problemas de comportamento, além de redução dos reflexos;
  • Afeta a memória e concentração;
  • Agressividade.

Vale lembrar também que quem está passando por dependência etílica pode ter sua vida social afetada, como isolamento dos amigos e familiares, separação ou divórcio, perda de trabalho, etc.

Quais são os sintomas do etilismo

Como já foi dito sobre o que é etilismo, é importante que quem esteja por perto, fique atento a alguns sinais:

  • Tremores;
  • Suor excessivo;
  • Falta de concentração;
  • Estado depressivo;
  • Delírios;
  • Problemas de sono;
  • Bebe álcool todos os dias.

Esses são apenas alguns exemplos, e da mesma forma que você agiria quando algum amigo ou familiar precisa de um tratamento para dependência química, é importante oferecer ajuda.

Geralmente, quem tem dependência alcoólica, não admite que é um dependente, e por isso, pessoas próximas devem ajudar.

Seja conversando com a pessoa ou até buscando auxílio de um profissional que trate alcoolismo, e para que os danos não sejam ainda maiores, é necessário buscar ajuda o quanto antes.

Dependência Química

O Que o Cigarro Causa?

Sem comentários

Quando a pergunta é sobre o que o cigarro causa, infelizmente as notícias não são muito animadoras, uma vez que o uso do cigarro é extremamente prejudicial à saúde.

Infelizmente, da mesma forma que acontece com uma pessoa passando por um tratamento para alcoolismo, abandonar o tabagismo não é uma tarefa fácil.

Se você está se perguntando quais são os efeitos do cigarro, a lista é bem longa, e segundo o INCA, milhares de pessoas morrem todos os anos por conta do cigarro.

Vamos mostrar aqui as consequências nocivas do uso do cigarro, e por que é tão a importância de que essas informações cheguem a um maior número de pessoas.

O que o cigarro causa?

Muitas pessoas ainda não têm noção sobre o que o cigarro causa, e talvez por isso nem se esforçam para tentar parar.

Fazendo uma comparação com um paciente em tratamento para dependência química, muitas vezes eles não conseguem alcançar os malefícios da droga, e com os fumantes acontece a mesma coisa.

Separamos aqui os principais problemas decorrentes do uso do cigarro:

  • Doença pulmonar obstrutiva, como enfisema;
  • Diversos tipos de câncer: pulmão, boca, laringe, esôfago, etc.;
  • Doenças cardíacas;
  • AVC;
  • Tuberculose;
  • Infecções respiratórias.

Além desses problemas originados do uso do cigarro, podemos citar também catarata, infertilidade, impotência sexual, entre outros.

No entanto, a morte prematura é um dos maiores perigos que o cigarro causa.

O que leva uma pessoa a fumar?

Um estudo realizado pela Fiocruz mostrou que cerca de 33% dos fumantes brasileiros aumentaram o uso de cigarros durante a pandemia.

E qual é a explicação para isso?

Na verdade, é uma mistura de sentimentos que faz com que uma pessoa queira fumar: tristeza, isolamento, depressão, ansiedade, medo.

Embora as pessoas terem uma certa consciência do que o cigarro causa, a sensação de prazer e relaxamento que sentem as fazem esquecer de todos os malefícios causados pelo cigarro.

Quem é fumante, sente um alívio tremendo quando dá uma simples tragada, é como se todos os problemas fossem embora, ou pelo menos esquecidos por um tempo.

É possível parar de fumar?

Para quem quer abandonar de vez com o tabagismo, deve sempre buscar uma rede de suporte, pois sozinho é bem difícil.

Dependendo do grau da dependência e principalmente, se a saúde está muito comprometida pelo que o cigarro causa, é necessário um acompanhamento de um profissional de saúde.

Hoje em dia, existem várias abordagens para ajudar pessoas que querem largar o vício, inclusive com o uso de medicamentos.

Um dos principais objetivos do tratamento é não apenas dar o apoio à pessoa, mas reduzir o risco de uma recaída, que é muito normal.

No entanto, isso vai exigir muito esforço e persistência, e mesmo sabendo dos riscos causados pelo cigarro, é um trabalho a longo prazo.

Ao encontrar uma outra forma de prazer, como um substituto do bem-estar causado pelo cigarro, muitos fumantes têm conseguido abandonar o vício de uma forma mais tranquila e não traumática.

Navegação por posts